Logotipo ACIA Online

Formulário de Consulta

CÓDIGO SENHA

Dólar opera em alta após Fed elevar juros nos EUA

O Dolar opera em alta em relação ao real nesta quinta-feira (15), um dia após o Federal Reserve (Fed), o banco central norte-americano, anunciar a alta dos juros nos Estados Unidos e sinalizar que deve repetir o aumento 3 vezes ao longo de 2017.

Às 15h54, a moeda norte-americana subia 1,28%, a R$ 3,3761 na venda. Veja a cotação do dólar hoje.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:
Às 9h10, alta de 1,55%, a R$ 3,3847 
Às 9h59, alta de 1,54%, a R$ 3,3848
Às 10h59, alta de 1,61%, a R$ 3,3869 
Às 11h22, alta de 1,6%, a R$ 3,3867
Às 13h07, alta de 1,36%, a R$ 3,3788
Às 14h08, alta de 1,77%, a R$ 3,3924
Às 14h59, alta de 1,96% a R$ 3,39

Com a alta, a primeira em 1 ano, os juros devem ser elevados para a faixa entre 0,5% e 0,75%, contra 0,25% a 0,5% atualmente. Juros maiores nos Estados Unidos tendem a puxar o dólar para cima em relação a moedas como o real, pois o país atrairia recursos aplicados em outros mercados.

O aumento dos juros já era amplamente esperado pelo mercado e estava precificado, com investidores no aguardo apenas de pistas sobre o ritmo das próximas elevações, especialmente após a eleição de Donald Trump.

"O mercado não estava preparado para a indicação de três altas de juros no próximo ano e isso obriga uma correção. Mas o ajuste não é fundamental e duradouro, já que a indicação do Fed não é garantia de nada", disse à Reuters o operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado. "A mudança da sinalização para o próximo ano aconteceu porque os indicadores norte-americanos têm sido muito bons, sobretudo os de emprego."

Os mercados de ações pelo mundo reagem ao anúncio do Fed. Na Ásia, as bolsas terminaram a sessão em queda, enquanto os mercados europeus abriram o dia em alta. Segundo a Reuters, o dólar no exterior atingiu a máxima em 14 anos, colocando o euro no seu menor nível desde janeiro de 2003.

Cenário interno

Do cenário local, investidores seguem atentos ao cenário político e na expectativa pelo pacote de medidas microeconômicas que deve ser anunciado pelo governo. Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o objetivo das medidas é melhorar a produtividade. Ao longo do dia, profissionais comentaram à Reuters que o conteúdo dessas medidas pode aliviar a trajetória de alta da moeda.

"Estamos vivendo um cenário político sem precedentes. Quando se imagina que a poeira vai baixar, novos estresses surgem", destacou à Reuters um operador da mesa de câmbio de uma corretora local.

 

BC não interfere

 

Até o momento, o Banco Central não anunciou nenhuma intervenção no mercado de câmbio. Na terça-feira, o BC fez um leilão de linha para rolagem dos contratos de janeiro e, na segunda-feira, encerrou a rolagem dos contratos de swap cambial, equivalentes à venda de dólares no futuro, também de janeiro.

 

Último fechamento

O dólar fechou em alta de 0,22% na quarta-feira (15), vendido a a R$ 3,332. Na semana, o dólar tem queda acumulada de 1,18% e no mês, de 1,6%. No ano, há recuo de 15,57%.



<< Voltar

Sede própria, localizada na Rua José Barbosa de Oliveira, 475
Centro - Cassilândia/MS
CEP: 79540-000

Horário de atendimento:
Segundas a Sextas-Feiras, das 8h às 18h. Sábados, das 8h às 12h.

Telefone: (67) 3596-1522
Telefone: (67) 8148-1958
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK SIGA-NOS NO TWITTER YOUTUBE
DESENVOLVIDO POR SOPHUS TECNOLOGIA