Logotipo ACIA Online

Formulário de Consulta

CÓDIGO SENHA

Mercado tem 22,9 milhões de trabalhadores subutilizados, diz IBGE

A taxa composta da subutilização da força de trabalho no país ficou em 21,2%, chegando a 22,9 milhões de pessoas, acima dos 20,9% registrados nos três meses anteriores e dos 18% referentes ao mesmo período de 2015.

No país, a maior taxa da subutilização da força de trabalho foi observada no Nordeste (31,4%), e a menor na região Sul (13,2%). Os estados que registraram as maiores taxas foram Bahia (34,1%), Piauí (32,6%) e Maranhão e Sergipe (ambos com 31,9%). Na outra ponta, estão Santa Catarina (9,7%), Mato Grosso (13,2%) e Paraná (14,2%).

Os dados, que consideram as taxas de desocupação, de desocupação por insuficiência de horas e da força de trabalho potencial  foram divulgados nesta terça-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Subocupação
No detalhamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), o IBGE também divulgou a "taxa de subocupação por insuficiência de horas trabalhadas e desocupação", ou seja, o índice relativo às pessoas ocupadas com uma jornada de menos de 40 horas semanais, mas que gostariam de trabalhar em um período maior somadas às pessoas desocupadas).

Esse indicador ficou em 16,5%, sendo 4,8 milhões de trabalhadores subocupados por insuficiência de horas trabalhadas e 12 milhões de desocupados. No trimestre anterior, a taxa foi de 16% e no terceiro trimestre de 2015, de 14,4%.

O IBGE estima que 14,5% sejam relativos aos homens e 19,2% para as mulheres. Na análise por idade, a taxa ficou em 46,6% para a faixa 14 a 17 anos, 32,1% para os jovens de 18 a 24 anos, 15,8% para o grupo de 25 a 39 e 11,1% para as pessoas 40 a 59 anos.

A região que mostrou a maior taxa foi a Nordeste (22,9%) e a que registrou a menor foi a região Sul (10,7%). Entre os estados, os maiores índices partiram da Bahia (26,2%), de Sergipe (23,7%), do Piauí e da Paraíba (ambos com 22,9%). Por outro lado, tiveram as menores taxas Santa Catarina (8%), Mato Grosso (10,6%) e Paraná (11,4%).

Desocupação e força de trabalho potencial
Outro detalhamento dessa pesquisa diz respeito às pessoas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho, ou que procuraram mas não estavam disponíveis para trabalhar (força de trabalho potencial). Esse índice chamado de "taxa combinada da desocupação de da força de trabalho potencial", ficou em 16,8%, o equivalente a 6,1 milhões de pessoas. O número é maior do que o registrado no trimestre anterior, de 16,4% e do que o observado no terceiro trimestre de 2015, de 12,8%.

O percentual de mulheres desocupadas foi superior ao de homens: 50,1% dos desocupados no país. O número de mulheres desocupada (47,7%) foi inferior ao de homens apenas no Nordeste.

No Nordeste, a taxa, incluindo homens e mulheres, chegou a 23,6% e no Sul, a 10,5%. As maiores taxas entre os estados partiram de Alagoas (25,4%), Bahia (24,9%) e Maranhão (24,5%) - as menores, de Santa Catarina (8,1%), Rio Grande do Sul (11,0%) e Paraná (11,4%).

Norte (de 8,8% para 11,4%), Nordeste (de 10,8% para 14,1%), Sudeste (de 9,0% para 12,3%), Sul (de 6,0% para 7,9%) e Centro-Oeste (de 7,5% para 10,0%).

No terceiro trimestre, 51,8% das pessoas desocupadas tinham concluído pelo menos o ensino médio e cerca de 25% não tinham concluído o ensino fundamental. Os desocupados com nível superior completo representavam 8,3%.

Desemprego e rendimento regionais
De acordo com a pesquisa mais recente  do IBGE, divulgada no final de outubro, o desemprego ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro - a maior de toda a série histórica da Pnad, que teve início em 2012.

Nesta terça-feira, o IBGE apresentou as taxas regionais. Bahia (15,9%), Pernambuco (15,3%) e Amapá (14,9%) foram os estados com as maiores taxas de desocupação. As menores taxas partiram de Santa Catarina (6,4%), Mato Grosso do Sul (7,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

O rendimento médio habitual dos trabalhadores também já havia sido anunciado - ficou em R$ 2.015. Nesta pesquisa desta terça, o IBGE mostra que tiveram números acima da média as regiões Sudeste (R$ 2.325), Centro-Oeste (R$ 2.288) e Sul (R$ 2.207). Ficaram abaixo da média Norte (R$ 1.539) e Nordeste (R$ 1.348).

População fora da força
No período analisado, 38,8% das pessoas em idade de trabalhar estavam fora da força de trabalho, ou seja, não trabalhavam nem procuravam trabalho. A região Nordeste foi a que apresentou a maior parcela de pessoas fora da força de trabalho: 45%. Os menores percentuais foram vistos nas regiões Sul (36,1%) e Centro-Oeste (35,1%).

A maioria das pessoas da população fora da força de trabalho era formada por mulheres: 65,5% desse contingente.

Os idosos representavam 35,6% da população fora da força de trabalho. Na sequência aparecem os jovens, com menos de 25 anos (28,6%) e os adultos, de até 59 anos, representavam 35,7%.

Em relação ao nível de instrução, mais da metade desta população (54%) não tinha concluído o ensino fundamental e pouco mais de um quarto tinha concluído pelo menos o ensino médio (25,8%).

 

tópicos:



<< Voltar

Sede própria, localizada na Rua José Barbosa de Oliveira, 475
Centro - Cassilândia/MS
CEP: 79540-000

Horário de atendimento:
Segundas a Sextas-Feiras, das 8h às 18h. Sábados, das 8h às 12h.

Telefone: (67) 3596-1522
Telefone: (67) 8148-1958
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK SIGA-NOS NO TWITTER YOUTUBE
DESENVOLVIDO POR SOPHUS TECNOLOGIA